Como desenhar um fármaco para a Doença dos Pezinhos?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Como desenhar um fármaco para a Doença dos Pezinhos?

Mensagem  Tiago em Sab Mar 08, 2008 4:35 am

" Como desenhar um fármaco para a Doença dos Pezinhos?
Investigadores portugueses e espanhóis ajudam a desenvolver terapias menos agressivas para a Paramiloidose

Ana Damas admite desenho de novos fármacos

Uma equipa de investigadores de Portugal, do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), no Porto, e do Conselho Superior de Investigação Científica, em Madrid, está a avaliar a capacidade de algumas moléculas estabilizarem a transtirretina (TTR), uma proteína que está associada à doença neurodegenerativa Paramiloidose, também conhecida por Doença dos Pezinhos. O estudo, publicado na edição de Março da revista científica "Biochimica et Biophysica Acta - Proteins and Proteomics" conclui que podem estar mais perto os primeiros medicamentos para esta doença.


A paramiloidose é uma doença genética com grande incidência no norte do país e foi inicialmente descrita por Corino de Andrade em 1952. A proteína que está a ser avaliada, a TTR, é composta por quatro sub-unidades e circula no plasma transportando hormonas da tiróide e vitamina A.

De acordo com os investigadores, razões principalmente genéticas fazem com que esta proteína assuma uma conformação menos estável e desencadeie a produção de compostos intermédios que posteriormente formam as chamadas fibras de amilóide. Estas fibras estão presentes nos doentes que a médio prazo apresentam perda de sensibilidade a nível dos membros inferiores mas que numa fase terminal têm os seus rins e o coração afectados.

Até aqui, as terapias utilizadas nos pacientes com esta doença resumiam-se praticamente ao transplante de fígado, principal órgão produtor da proteína. Além de ser extremamente agressivo, este método implicava outras dificuldades como as listas de espera.

Segundo os investigadores, a descoberta de tratamentos alternativos é essencial. O objectivo do estudo agora publicado, que se insere numa abordagem menos invasiva, foi avaliar a capacidade de estabilização da TTR pelo uso de derivados iodados do ácido acetil salicílico (a vulgar aspirina). A equipa demonstrou e conseguiu perceber porque é que ao introduzir átomos de iodo naquele fármaco aumentava a estabilidade da proteína.

O composto iodado, explicou Luís Gales autor do artigo, introduz-se no centro da TTR e aí estabelece ligações entre as sub-unidades da proteína, ou seja, funciona como âncora, conferindo estabilidade e impedindo a sua alteração.

Segundo Ana Margarida Damas, investigadora do IBMC e ICBAS da Universidade do Porto e coordenadora deste trabalho, o artigo agora publicado abre caminho para o desenho de novos fármacos destinados a esta doença. "


in http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=25358&op=all


Agora entende-se a grande demora do departamento de Biofisica na correcção dos exames, principalmente os de recurso Twisted Evil

Tiago
Admin

Mensagens : 81
Data de inscrição : 16/02/2008

Ver perfil do usuário http://biomedforum.justforum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum